sábado, agosto 09, 2008

Uma Grande Celebração


Um mês atrás instalei em minha casa, a SKY TV por assinatura, pensando nas olimpíadas como vocês podem conferir no meu blog sobre esportes e fui brindado no primeiro final de semana com um show que estava sendo exibido em primeira mão no SKY Live...
Paralamas e Titãs ao vivo, um show gravado no Rio de Janeiro e que foi lançado em CD e DVD, então parei na frente da televisão para admirar duas bandas que estão na fase de bodas de prata e juntas no palco mostram que como vinho, quanto mais velhos ficam melhores...
Os oito integrantes das duas bandas incendiaram o público como já tinham feito no Hollywood Rock em 92 e na turnê de uma empresa de absorventes em 99 e provaram que o rock que eles fazem é de uma qualidade impressionante, mostrando que os grandes sucessos da década de 80, como falei no post anterior, não se perderam, passaram de geração e hoje embala os filhos daqueles que lotavam os shows no inicio da carreira...
Com um repertório onde mesclavam sucessos de um e outro, as bandas receberam alguns convidados especiais como Arnaldo Antunes, um eterno Titã, Andreas Kisser do Sepultura que com sua guitarra fez com que o rock ficasse mais visceral e potente, Samuel Rosa que com sua Skank é claramente influenciado pelo Paralamas e pesquisando um pouco na internet para tirar algumas dúvidas pude ver que também teve Marcelo Camelo e Fito Paez na turnê...
Um sentimento de inveja ia me tomando a cada música tocada, pois como queria que eles tivessem vindo para Recife na turnê, pois ficar vendo pela televisão o delirio do público é muito chato...
Bom, para encerrar algumas músicas que estiveram no repertório do show:

Selvagem
(Bi Ribeiro /João Barone/Herbert Vianna)
A polícia apresenta suas armas
Escudos transparentes, cacetetes
Capacetes reluzentes
E a determinação de manter tudo
Em seu lugar
O governo apresenta suas armas
Discurso reticente, novidade inconsistente
E a liberdade cai por terra
Aos pés de um filme de Godard
A cidade apresenta suas armas
Meninos nos sinais, mendigos pelos cantos
E o espanto está nos olhos de quem vê
O grande monstro a se criar
Os negros apresentam suas armas
As costas marcadas, as mãos calejadas
E a esperteza que só tem quem tá
Cansado de apanhar
A polícia apresenta suas armas
Escudos transparentes, cacetetes
capacetes reluzentes
E a determinação de manter tudo em seu lugar
O governo apresenta suas armas
Discurso reticente, novidade inconsistente
E a liberdade cai por terra
Aos pés de um filme de Godard
A cidade apresenta suas armas
Meninos nos sinais, mendigos pelos cantos
E o espanto está nos olhos de quem vê
O grande monstro a se criar
Os negros apresentam suas armas
As costas marcadas, as mãos calejadas
E a esperteza que só tem quem tá cansado de apanhar

Polícia
(Tony Belloto)
Dizem que ela existe pra ajudar
Dizem que ela existe pra proteger
Eu sei que ela pode te parar
Eu sei que ela pode te prender
Polícia! Para quem precisa?
Polícia! Para quem precisa de polícia?
Dizem pra você obedecer
Dizem pra você responder
Dizem pra você cooperar
Dizem pra você respeitar
Polícia! Para quem precisa?
Polícia! Para quem precisa de polícia?

Ska
(Herbert Vianna)
A vida não é filme, você não entendeu
Ninguém foi ao seu quarto quando escureceu
Sabendo o que passava no seu coração
Se o que você fazia era certo ou não
E a mocinha se perdeu olhando o Sol se por
Que final romântico, morrer de amor
Relembrando na janela tudo que viveu
Fingindo não ver os erros que cometeu
E assim
Tanto faz
Se o herói não aparecer
E daí
Nada mais
A vida não é filme, você não entendeu
De todos os seus sonhos não restou nenhum
Ninguém foi ao seu quarto quando escureceu
E só você não viu, não era filme algum
E a mocinha se perdeu olhando o Sol se por
Que final romântico, morrer de amor
Relembrando na janela tudo que viveu
Fingindo não ver os erros que cometeu
E assim
Tanto faz
Se o herói não aparecer
E daí
Nada mais
E assim
Tanto faz
Se o herói não aparecer
E daí
Nada mais.

Sonifera Ilha
(B. Melo/M. Fromer/Toni Bellotto/C. Pessoa /C. Bermak)
Não posso mais viver assim do seu ladinho
Por isso colo meu ouvido no radinho de pilha
Pra te sintonizar sozinha, numa ilha
Sonífera ilha
Descansa meus olhos
Sossega minha boca
Me enche de luz
Sonífera ilha
Descansa meus olhos
Sossega minha boca
Me enche de luz
Não posso mais viver assim do seu ladinho
Por isso colo meu ouvido no radinho de pilha
Pra te sintonizar sozinha, numa ilha
Sonífera ilha
Descansa meus olhos
Sossega minha boca
Me enche de luz
Um abraço para todos:
Beto L. Carvalho
Carpe Diem

Um comentário:

Cristiano Rocha disse...

Rapaz é blog é bom mesmo, nos deixa sempre por dentro da cena Pernambucana. Abraços